Gestão de Pessoas e Liderança

11 de outubro de 2012 por Ação Sistemas

 

As novas estruturas empresariais, originadas pelas transformações econômicas, políticas e culturais, exigem diferentes competências e habilidades dos profissionais de RH. Para trazer um pouco mais de informação sobre este novo cenário do mercado de gestão de pessoas, entrevistamos a especialista Andrea Mussnich.

 

Andrea Mussnich é Coach e Diretora da Porto RH. Professora de cursos de Pós Graduação, em disciplinas de Liderança, Gestão de Pessoas e Gestão do Conhecimento.

 

InformAção: A liderança e a gestão de pessoas são áreas que começam a confluir, visando à satisfação dos colaboradores durante a jornada de trabalho. Qual é a diferença entre gestão e liderança?

Andrea: O que tem ocorrido nos últimos anos é um compartilhamento da responsabilidade sobre os processos de gestão de pessoas entre os profissionais de RH e as lideranças. Muitas atividades que antes eram de exclusividade da área de RH (ou gestão de pessoas) passaram a ser realizadas ou compartilhadas com os gestores. Por exemplo, a seleção, a avaliação de desempenho, o levantamento de necessidades de treinamento e o próprio desenvolvimento de pessoas. Mas para que tenhamos clareza da diferenciação dos papéis, o RH ou gestão de pessoas tem a responsabilidade de prover o conhecimento técnico necessário para estruturar os processos de RH, apoiar e dar suporte aos gestores. Já os gestores, por sua vez, são responsáveis pela gestão das pessoas de suas equipes, participando dos processos seletivos, avaliando seu desempenho, fornecendo feedback e apoiando e incentivando o desenvolvimento de cada indivíduo sob  sua responsabilidades.

InformAção: Desenvolver pessoas, identificar e formar líderes não são tarefas fáceis.  Como se desenvolvem estes processos que fazem parte da gestão de recursos humanos?

Andrea: O processo de desenvolvimento de lideranças se no enfrentamento de desafios e situações difíceis, mas com controle dos riscos envolvidos. E, neste sentido, é fundamental a ação do gestor. Por outro lado, o suporte fornecido por  meio de cursos/treinamentos, coaching, feedbacks e outras ações complementam esta formação.

InformAção: O que as organizações de sucesso têm estruturado nas suas áreas de RH para desenvolver e reter seus talentos?

Andrea: As organizações que têm trabalhado esta questão de forma consistente e com sucesso, tem um investimento de longo prazo neste processo de desenvolvimento de lideranças, pois elas desempenham um papel fundamental na retenção   de talentos. De modo geral percebemos uma preocupação em enxergar as pessoas na sua individualidade e investir nelas, incentivando seu desenvolvimento por meio de iniciativas adequadas à necessidade de cada uma. Os profissionais são cobrados e desafiados, mas sentem-se apoiados e valorizados ao mesmo tempo. E isso, é o que faz com que as pessoas permaneçam numa organização, a relação com seu líder, o sentimento de estar se desenvolvendo, sendo desafiado e valorizado.

InformAção: Como o profissional de recursos humanos deve se preparar para acompanhar as tendências do setor?

Andrea: O profissional de RH deve buscar informação no mercado, interessar-se sobre o negócio da empresa, entender a sua cultura, fazer benchmark com organizações que possuam práticas de sucesso na área e acima de tudo estar aberto ao “novo”, a propor formas diferentes de atuar, a fim de se adequar às demandas do mercado. Digo isso, pois muitas vezes encontramos nos profissionais de RH uma resistência muito grande à mudança, além de uma dificuldade de “vender” suas ideias e projetos internamente.

 

 

 

 

 

 


1 Comentário

  1. Olá.
    Gostaria de saber o que os profissionais de RH fazem com os profissionais acima de 45 anos?
    Fala-se muito em novos talentos e retenção de talentos dentro das empresas mas não vejo luz no fim do túnel para aqueles que por questões financeiras se formaram mais tarde e querem uma oportunidade de trabalho.
    Tenho 48 anos sou formada em Marketing e Pós graduada em Comunicação estratégica e não sou chamada para processos de seleção. Parece que ter 48 é um estigma, uma doença contagiosa. Ouvi de uma gerente de RH de uma empresa um comentário sem precedentes: – Que não vou conseguir nada com essa idade! Pode uma coisa dessas?

    Comment by Cármen — 19 de outubro de 2012 @ 15:17

Leave a comment

InformAo

Notícias, abordagens de temas voltados aos setores de Recursos Humanos e TI, agenda, novidades e muito mais no InformAção, o blog da Ação Sistemas.

Veja também:

© 2011 Ação Sistemas de Informática Ltda. uma empresa do Grupo Ação. Afirma.cc